Tags

, ,

Gosto de compartilhar com meus amigos coisas que aprendi e aprendo em meu dia a dia! Essa semana, em especial na quarta feira, aprendi bastante e fico feliz em transmitir para os amigos e colegas uma parte de meu aprendizado.

Estava eu em minha aula na ABS (Associação Brasileira de Sommeliers) quando o professor da noite proferiu o seguinte discurso:

“Quando estamos nesse “meio do vinho”, não é incomum as pessoas que gostam muito de vinho branco, com o tempo, passem a preferir o tinto. Isso graças a complexidade!” 

Pois é está ai uma frase que vale para quase tudo na vida! O gosto (que neste caso está relacionado com apreço e não ao paladar) pela complexidade é inerente ao homem. Sei que cultura e ambiente influenciam nos gostos de cada um. Muitas vezes é mais difícil nos habituarmos com um nível maior de complexidade, graças a carga cultural que fomos bombardeados durante toda nossa vida.

Meu mestre levou em consideração que o fermentado tinto é mais complexo que o branco, mas podemos tomar a música. Como exemplo, quando nos acostumamos com Chico Buarque fica muito difícil ouvir “delícia, delícia…” e gostar. Mesmo que as complexas sinfonias de Mozart não estejam em minha play list favorita com certeza funk não está. Em verdade ouço rock, apesar de adorar um sambinha. Isso graças a cultura que fui exposto a minha vida toda.

Ao olharmos para uma pintura ou escultura percebemos a sua complexidade, de maneira que um quadro pintado é mais bonito que um em branco. Para a gastronomia também é fácil perceber que uma comida mais elaborada apetece muito mais que um simples “feijão-com-arroz”. Podemos extrapolar até mesmo para os jogos, quando se aprende a jogar xadrez, por exemplo, jogar damas fica sem graça.

Apesar da complexidade ser importante a harmonia deve estar presente. Em todos os casos descritos podemos ter muitos componentes, mas todos devem ter uma razão para existir. Um prato pode ter 20 ou mais ingredientes; um pintura pode ter diversas cores; uma música tons, notas e sobre tons. O importante é como cada um destes completa a obra de maneira que todos tenham sua importância para o conjunto montando uma obra especial!

Inteligente, criativo e complexo (confiram em “Comendo com os olhos”)

.

Cainã Freitas