Tags

, , ,

Pensei hoje o dia inteiro sobre o que escrever no blog, até chegar a seguinte conclusão às 11:20 da noite: Se é para escrever um Blog que seja do início:

Desde os primórdios da humanidade, graças ao aparecimento do fogo e mesmo antes da escrita, o homem já transformava os alimentos a fim de facilitar a ingestão e modificar o sabor. Com o desenvolvimento da escrita foi possível o registro do cotidiano da humanidade. O grego Archestratus foi, possivelmente, o primeiro autor gastronômico da história ocidental.

Desde a Antiguidade a culinária era vista como arte. Mas foi durante o Renascimento  que o italiano Bartolomeo Scappi consolidou a culinária como ciência. Em sua obra mais completa – Ópera  – que  possuía 6 volumes, Scappi tem como foco o paladar, mas também detalha o andamento da cozinha e fala sobre os modos de se por a mesa. Graças a 2 plagiadores a obra Ópera se espalha pela Europa.

 

Apesar dos esforços de disseminação da obra tratando gastronomia como ciência os comensais se atêm aos pontos de etiqueta a mesa. Ainda hoje a etiqueta a mesa é usada para distinguir classes sociais.

 

Apenas no inicio do século XIX, Jean-Anthleme Brillat-Savarin consolidou de vez a gastronomia como uma ciência, publicou a obra A Fisiologia do Gosto, apenas dois meses antes de morrer. Nela Brillat-Savarin discursa sobre os prazeres da mesa, que considerava, mais do que lazer, uma ciência.

 

Afinal o que é gastronomia? Uma ciência? Uma arte?

 

Primeiro vamos tentar entender pela etimologia da palavra gastronomia:

Gastro- do grego gaster, que significa estômago e podemos estender ao sistema digestivo.

Nomia- do grego nomos, que significa regra ou regulação.

.

Não foi muito conclusivo, então procurei num dicionário(mini Aurélio escolar – 4ª edição):

Gas.tro.no.mia: sf. Arte de cozinhar de modo que se dê o maior prazer a quem come.

.

Não fico satisfeito com essa definição do dicionário, mas deixo a mensagem de um professor de química que tive e sempre lembro:

“Cozinhar é fazer ciência com arte” – João Jorge


.

Cainã Freitas